HOME  
não espere o dia seguinte para se informar.
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014     15:56


  
 
MEDIA CENTER

 VÍDEOS
 ÁUDIOS
 FOTOS
 

Home | Cidades
27/03/2014 - PERIGO DE RACIONAMENTO
  Billings poderia ser caixa dgua paulista
  Por: Claudia Mayara  (mayara@abcdmaior.com.br)

 
Foto: Amanda Perobelli
Foto: Amanda Perobelli
 
Manancial do ABCD quatro vezes maior do que a represa Guarapiranga, que abastece 3 milhes de pessoas, e poderia evitar racionamento

A represa Billings poderia ser a saída para o atual momento crítico do abastecimento de  água na Região Metropolitana de São Paulo. Nesta quarta-feira (26/03), o nível de água armazenado no sistema Cantareira registrou novo recorde negativo ao atingir 14,1%. Se não estivesse poluído, o manancial do ABCD, que nesta quinta-feira (27/03) completa 89 anos, poderia ser a solução. 

Conforme especialistas ouvidos pelo ABCD MAIOR, a Billings tem 1,3 bilhão de metros cúbicos de capacidade de armazenagem, 800 quilômetros de margens e é quatro vezes maior que a represa Guarapiranga, que atualmente abastece 3 milhões de pessoas da Capital. 

O artigo 3º da Lei Específica da Billings, de julho de 2009,  assegura e potencializa a função da represa como produtora de água para a Região Metropolitana de São Paulo, garantindo sua qualidade e quantidade. Atualmente, apenas um dos braços da represa – o Rio Grande – abastece cerca de 1,8 milhão de pessoas em São Bernardo, Diadema e parte de Santo André. 

 

ESTADO POLUIDOR

“A Billings é mais  que suficiente para a demanda atual. O problema é que o Estado não fala nada, porque ele é o poluidor da represa na figura da Sabesp e Emae”, analisou Virgilio Alcides de Farias, advogado ambientalista e membro do MDV (Movimento de Defesa da Vida) do ABCD. 

A tese é compartilhada por Carlos Bocuhy, presidente do Proam (Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental) e conselheiro do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente). “Pedimos a despoluição da Billings há 20 anos com a campanha Billings Que Te Quero Viva, mas o Estado não tem interesse, porque prefere jogar as águas (poluídas) do rio Pinheiros na represa”, avaliou.

Em 1992, o governo estadual editou a Resolução Conjunta SMA/SES 03/92, que permite que as águas do Pinheiros sejam bombeadas para a Billings, quando as vazões provocadas pelas chuvas elevam o nível das águas do rio, podendo causar enchentes na Capital. O serviço é realizado pela Emae (Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A.), responsável pela Billings. 

Preocupado com a reversão das águas poluídas do rio Pinheiros para a Billings, Farias entrou com uma ação popular, em dezembro de 2010, contra a Emae, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e a Prefeitura de São Paulo, além da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), que foi incluída por omissão. 

 

ESGOTO

Além de exigir o fim do bombeamento, o objetivo da ação é impedir o despejo do esgoto in natura e a remoção do lixo submerso na represa. A ação já teve quatro vitórias parciais na Justiça, mas aguarda análise pericial do processo para julgamento. “O Estado vem relutando nos autos em pagar um perito para realizar a análise, como o juiz determinou”, explicou o advogado. 

 

 

 

Despoluição da represa ainda é a melhor solução

Para os ambientalistas, as mudanças climáticas irão provocar estiagens cada vez mais frequentes e piores. Isso levará a Sabesp a procurar novos mananciais e buscar água cada vez mais longe, como a atual sugestão estadual de captar água do rio Paraíba, que abastece cerca de 2 milhões da região do Vale do Paraíba e mais de 10 milhões de habitantes no Estado do Rio. No entanto, para os especialistas, a melhor solução seria o investimento da despoluição da represa Billings. 

“Para trazer essa água do Interior do Estado, onde há desnível de 300 metros, será preciso um bombeamento constante, além de construir estações elevatórias. O que vai ser gasto para trazer essa água poderia ser investido na despoluição da Billings”, alertou o presidente do Proam, Carlos Bocuhy.

De acordo com Bocuhy, a capacidade de armazenagem da Billings é tão grande que poderia abastecer a Região Metropolitana por um ano, mesmo sem chuvas ou outra fonte de reabastecimento. “São Paulo tem um mar de água doce encravado no ABCD e não acorda para isso. Hoje sofremos por a represa estar poluída, mas se houvesse interesse já poderia estar limpa”, argumentou. 

Para o advogado ambientalista Virgilio Alcides de Farias, a recuperação da Billings é possível desde que se ponha fim ao despejo de esgoto in natura no manancial e se recuperem as nascentes, os córregos e rios que deságuam na represa ao revegetar e criar um cordão verde. “É preciso dar vida às nascentes e rios para que o ciclo da água volte a acontecer. É claro que há coisas que não se recuperam mais, como os assoreamentos”, explicou. Estima-se que levaria entre 15 e 20 anos para despoluir a represa. 

 

 

 

ABCD planeja ter 100% do esgoto tratado em 2018

Os córregos, rios e a represa Billings só deixarão de receber esgoto do ABCD em 2018. Essa é a meta das autarquias (empresas públicas de água e esgoto) para tratar 100% do esgoto coletado nos cinco municípios da Região. Santo André pretende coletar e tratar todo o esgoto que segue para a Billings já em 2016. Hoje apenas São Caetano coleta e trata 100% do esgoto.

Até lá, as empresas e concessionárias de saneamento investirão mais de R$ 5,2 bilhões em obras para garantir a infraestrutura e as tecnologias necessárias para atender a demanda. Nos últimos anos,  Sabesp (São Bernardo, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), Semasa (Santo André), Saned (Diadema) e Foz do Brasil (Mauá) investiram mais de R$ 290,9 milhões em obras de saneamento.

Apesar de ser um grande passo para a despoluição da Billings, especialistas ressaltam que a meta abrange apenas as áreas regulares, uma vez que a as autarquias não podem regularizar a situação dos moradores de núcleos e favelas sem a intervenção habitacional e de urbanização das áreas irregulares.

 

PRÓ-BILLINGS

Um dos poucos projetos que seguem nesse sentido é o Pró-Billings, realizado em São Bernardo, uma parceria entre Prefeitura e Sabesp para a regularização fundiária e recuperação ambiental da região do Alvarenga.  

Apesar da expectativa das autarquias do ABCD de deixar de jogar esgoto na Billings, a recuperação do manancial também dependerá da despoluição do rio Pinheiros. Em épocas de chuvas, a água do rio é direcionada para a Billings, para uma tentativa de evitar alagamentos na Capital. 

Compartilhe essa notícia
Enviar para um amigo Imprimir Notcia Comentar esta notcia
Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Twitter



Comentários (3)
 
Ivone Arruda de Carvalho | 30/03/2014 | 11:47
  melhor dar dinheiro as construtoras e fazer obras faraonicas trazendo gua de longe,do que reverter isso na despoluio da Billings, obrigando municipios do ABC e o Estado cuidar da nossa represa...somos que nem bicho preguia avanamos lentamente
 
Carlos Oliveira | 27/03/2014 | 09:12
  MUITO BOA participao de Virglio e Carlos Bocuhy. H anos tratamos deste assunto, indicando o potencial da Billings para suprir a demanda da RMSP. Porm, nenhuma ao de despoluio foi realizada. Triste fim para a ilustre senhora de 89 anos....
 
Salomo Pessimista | 27/03/2014 | 09:07
  EU NO CREIO QUE O ESTADO V CUIDAR DA BILLINGS. Estamos fadados a um futuro no distante, no termos gua disponvel, como temos hoje, e no vai demorar muito. DIAS DE TRISTEZA E SECA ESTO POR VIR. AGUARDEM.
 
  Veja todos os comentrios sobre essa matria



Comente esta Notcia
 
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

Nome*:
E-mail*: (Seu e-mail não será publicado no site)
Comentário*:
 (Máximo de 250 caracteres - 0)
 
Desejo receber a newsletter com as notícias e informações mais atualizadas sobre o jornal ABCD Maior.
 
* Campos obrigatórios
 

 
Newsletter
Cadastre-se aqui e receba nossa newsletter com informações sobre o jornal ABCD Maior:
 
Jornal ABCD MAIOR

17/10/2014 - Ano 09 - Nº 798
 
ABCD MAIOR AUTOS
Parceiros
 
  Contato | Expediente | Pontos de Distribuição

Jornal ABCD Maior
Travessa Monteiro Lobato, 95 - Centro - S�o Bernardo do Campo - SP - CEP: 09721-140
Fone/Fax: (11) 4930-7450 | Comercial : (11) 4930-7469