HOME  
não espere o dia seguinte para se informar.
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014     22:37


  
 
MEDIA CENTER

 VÍDEOS
 ÁUDIOS
 FOTOS
 

Home | Cidades
27/08/2013 - PROJETO
  Novo terreno deve duplicar capacidade da usina de lixo
  Por: Claudia Mayara  (mayara@abcdmaior.com.br)

 
A princpio, o equipamento seria erguido em uma rea de 100 mil metros quadrados dentro do antigo lixo do Alvarenga Foto: Andris Bovo
A princpio, o equipamento seria erguido em uma rea de 100 mil metros quadrados dentro do antigo lixo do Alvarenga Foto: Andris Bovo
 
Unidade ser construda para incinerar 770 toneladas/dia; at 2033 ampliar para 1,4 mil toneladas/dia

A necessidade de duplicar a capacidade de incineração da usina de lixo de 770 toneladas/dia para 1,4 mil toneladas/dia até 2033 foi o motivo para a Prefeitura de São Bernardo mudar o terreno de construção da unidade. A princípio, o equipamento seria erguido em uma área de 100 mil metros quadrados dentro do antigo lixão do Alvarenga. Mas como os planos são ampliar a unidade, a longo prazo, a Administração decidiu desapropriar uma área maior, com 212 mil metros quadrados, entre as ruas Cinco e a Senador Luiz Carlos Prestes, no Jardim Boa Vista, ao lado do lixão.

O secretário de Serviços Urbanos da cidade, Tarcisio Secoli, explicou que, durante os estudos para o processo de descontaminação do terreno do lixão, a Prefeitura descobriu apenas um pequeno maciço capaz de suportar o peso sem causar desníveis na futura construção.  “Não podemos fazer a usina em um terreno inseguro”, revelou Secoli. A instabilidade da área ocorre devido à quantidade de resíduos e gases enterrados. “Os buracos preenchidos pelos gases ficarão vazios, quando forem retirados. É aí que ocorrem os desníveis do solo”, comentou.

Diante da mudança, o Consórcio SBC Valorização de Resíduos, responsável pela construção da usina, está acrescentando ao EIA/Rima (Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) os estudos de fauna e flora do novo terreno. “A expectativa é entregar o documento em setembro para a Cetesb”, observou. Enquanto aguarda o aval do órgão ambiental, o Consórcio negocia com empresas nacionais e internacionais para avaliar quais têm potencial e qualidade para construir o equipamento. “Já sabemos que a tecnologia será a queima, mas ainda não temos como a planta será construída”, avaliou.

 

DESAPROPRIAÇÃO

Sobre as desapropriações necessárias para a construção da usina, o secretário esclareceu que os moradores ainda não foram avisados porque a publicação do DUP (Decreto de Utilidade Pública) nº 18.565 de 04 de julho de 2013, apenas sinaliza o interesse da Prefeitura pela área. “Ainda não sabemos o quanto da área vamos usar”, afirmou. O documento publicado no jornal Notícias do Município na edição de 5 de julho lista o nome de 34 proprietários. “Quem arcará com os custos da desapropriação será o Consórcio”, lembrou Secoli.


O objetivo da usina, orçada em R$ 350 milhões, é transformar, por meio da queima, o rejeito (o que não pode ser aproveitado) em energia limpa. A unidade deve começar a operar em 2015 e terá capacidade de gerar 17 MW/H de energia elétrica, suficiente para a iluminação pública da cidade. 


Até dezembro, S. Bernardo elevará reciclagem a 2,5%


Antes de implantar a reciclagem porta a porta no Rudge Ramos, São Bernardo reciclava 0,8% dos resíduos gerados na cidade mensalmente. Com a iniciativa em um único bairro do município, de julho para cá, o número subiu para 1,5%. Com a ampliação do programa de coleta seletiva para os bairros Paulicéia e Jordanópolis, a partir de 3 de setembro, a cidade pretende ampliar a reciclagem para 2,5% até dezembro. 


“A gente quase dobrou o que de fato reciclávamos na cidade inteira com os PEVs (Pontos de Entrega Voluntária), apenas com um bairro no porta a porta. Assim, achamos possível chegar a 2,5% em três meses com a entrada de mais dois bairros”, argumentou o diretor de Limpeza Urbana de São Bernardo, Mauricio Cardoso. Atualmente, 16 agentes ambientais estão responsáveis pela educação ambiental. “Também capacitamos 60 agentes de saúde nos dois bairros. A ideia é disseminar o que pode ou não reciclar e os dias da coleta”, explicou Cardoso. 


Assim como no Rudge, o porta a porta na Paulicéia e no Jordanópolis também será dividido em três setores. Nas terças e sábados, o caminhão recolherá os materiais recicláveis na Paulicéia. Já às quintas, a coleta passará no Jordanópolis. O caminhão circula sempre no período da manhã, das 8h às 13h. A expectativa é beneficiar aproximadamente 13 mil imóveis com a ação nos dois bairros. No Rudge, a ação atinge 14 mil residências. 

 

Compartilhe essa notícia
Enviar para um amigo Imprimir Notcia Comentar esta notcia
Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Twitter



Comentários (1)
 
Marquinhos do Lixo | 06/09/2013 | 19:17
  Cerca de 800 pessoas ficaro desempregadas com o fechamento do lixo. A lei do pt ex presidente lula diz que at 2014 tem que acabar com os lixes e criarem cooperativas de reciclagem para gerar emprego para morador de rua carroceiros Marquinhos
 
  Veja todos os comentrios sobre essa matria



Comente esta Notcia
 
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

Nome*:
E-mail*: (Seu e-mail não será publicado no site)
Comentário*:
 (Máximo de 250 caracteres - 0)
 
Desejo receber a newsletter com as notícias e informações mais atualizadas sobre o jornal ABCD Maior.
 
* Campos obrigatórios
 

 
Newsletter
Cadastre-se aqui e receba nossa newsletter com informações sobre o jornal ABCD Maior:
 
Jornal ABCD MAIOR

21/10/2014 - Ano 09 - Nº 799
 
ABCD MAIOR AUTOS
Parceiros
 
  Contato | Expediente | Pontos de Distribuição

Jornal ABCD Maior
Travessa Monteiro Lobato, 95 - Centro - S�o Bernardo do Campo - SP - CEP: 09721-140
Fone/Fax: (11) 4930-7450 | Comercial : (11) 4930-7469