24/05/2017 15:06

Manifestantes iniciam marcha até o Congresso contra reformas e por eleições diretas

Por: Rede Brasil Atual (pauta@redebrasilatual.com.br)

Organizadores estimam que 150 mil marcham para pressionar pela saída do presidente Temer, a suspensão das reformas e por diretas

Manifestantes desfilam pela Esplana dos Ministérios, em Brasília. Foto: Lucas Duarte de Souza

Milhares de manifestantes que participam das mobilizações convocadas pelas principais centrais sindicais do País seguem em marcha no início da tarde desta quarta-feira (24/05) em direção ao direção ao Congresso Nacional, para pressionar os parlamentares pela suspensão da tramitação das reformas da Previdência e Trabalhista, pela saída do presidente Michel Temer (PMDB) e a realização de eleições diretas.

Durante a manhã, trabalhadores vindos de todas as partes do Brasil se concentraram nos arredores do Estádio Mané Garrincha. Eles saíram em caminhada pelas ruas da capital federal e, neste momento, seguem pelo Eixo Monumental, em direção ao Congresso. Os organizadores esperam reunir 150 mil pessoas.

O coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Guilherme Boulos, avalia que esta pode ser a maior mobilização na capital federal dos últimos anos. "Pelo Fora Temer, por Diretas Já e para barrar essas reformas. Não basta mudar o presidente por eleição indireta. É preciso derrotar uma agenda. A única forma de derrotar as reformas é tirar Temer, que já perdeu a condição de governar, e garantir eleição direta, para que o povo decida", declarou, na saída da concentração.

O coordenador da CMP (Central dos Movimentos Populares) e da FBP (Frente Brasil Popular), Raimundo Bonfim, reafirmou as motivações: "Temos três objetivos nesta marcha: o fim do governo Temer, a retirada as reformas e a exigência por eleições Diretas Já".

Dezenas de parlamentares, entre eles os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), e a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), saíram do Congresso para se encontrarem com os manifestantes.

"Esta passeata é fundamental para mostrarmos que não aceitamos que este Congresso Nacional eleja um novo presidente da República. Não há legitimidade. É a continuidade do golpe", afirmou Lindbergh.


Tags:
golpe

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários