09/01/2017 18:00

Depois de cortar verba em SBC, Morando agora corta no Consórcio

Por: Karen Marchetti (karen@abcdmaior.com.br)

Prefeito de São Bernardo foi eleito presidente do Consórcio Intermunicipal

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), foi eleito nesta segunda-feira (09/01) o novo presidente do Consórcio Intermunicipal e anunciou redução de 50% da estrutura financeira da entidade. A medida engloba o fim do repasse à Agência de Desenvolvimento Econômico, diminuição de cargos e revisão e redução de contratos vigentes, incluindo de comunicação e segurança.

A primeira reunião do Consórcio com os novos eleitos foi nesta segunda-feira. Foto: Tiago Silva
A primeira reunião do Consórcio com os novos eleitos foi nesta segunda-feira. Foto: Tiago Silva

A partir deste mês, as sete cidades repassarão 0,25% da receita corrente líquida de cada prefeitura. Até dezembro do ano passado, o valor correspondia a 0,50%.

“Por 90 dias, as prefeituras diminuirá o repasse ao Consórcio. De 0,5% agora passará a repassar 0,25%. É a mesma linha de cortes adotadas em todas as prefeituras, e o Consórcio também está acompanhando este modelo”, disse Morando ao acrescentar que todos os municípios estão em dívida com a entidade.

Com a redução dos repasses, o orçamento do Consórcio diminuirá de R$ 26 milhões (somente os repasses dos municípios) para aproximadamente R$ 13 milhões.

Para o novo presidente da entidade, a redução de recursos não inviabilizará a discussão regional. Entretanto, já anunciou cortes em programas regionais. Dentre eles, o de treinamento da GCM (Guarda Civil Municipal). Somente no ano passado, a ação qualificou mais de mil guardas do ABCD.

Representante do Estado e do governo federal

O Consórcio Intermunicipal também buscará a participação do governo do Estado e do governo federal nas reuniões da entidade. O próprio presidente buscará com o governador Geraldo Alckmin e no Ministério da Cidade quem serão os indicados.

Fim do repasse para Agência

Morando anunciou também o fim do repasse à Agência de Desenvolvimento Econômico. O valor corresponde 49% do órgão. De acordo com o presidente, a estrutura física da entidade está garantida.

“Por apontamento do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) temos que parar de fazer o repasse do subsidio. Desde 2011, o Tribunal aponta como irregular, pois a transferência só subsidia a folha de pagamento e não projetos. Mas vamos continuar dar apoio ao Consórcio com infraestrutura física”, disse Morando ao ressaltar que a mudança é para atender a recomendação do Tribunal. .

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários