26/08/2015 17:31

Com Auricchio fora do páreo, cenário favorece Pinheiro em 2016

Por: Gislayne Jacinto (gislayne@abcdmaior.com.br)

Câmara rejeitou contas do ex-prefeito nesta terça; petebista ficará inelegível por oito anos

Paulo Pinheiro é favorecido com novo cenário político em São Caetano. Foto: Andris Bovo

Com a rejeição das contas do ex-prefeito José Auricchio Júnior (PTB) pela Câmara de São Caetano, nesta terça-feira (26/08), o cenário político para as eleições de 2016 acaba por favorece a reeleição de Paulo Pinheiro (PMDB), conforme análise de políticos da cidade. Por conta da reprovação das contas, o petebista, que deveria ser o principal adversário do peemedebista, está inelegível por oito anos, enquadrado pela lei da Ficha Limpa.

O vereador Pio Mielo (PT) entende não existir outra liderança na cidade que consiga aglutinar as forças de oposição em torno de uma única candidatura. “Depois da rejeição das contas, algumas forças políticas já sinalizam estar propensas a apoiar a reeleição Paulo Pinheiro”, disse o petista.

O presidente do PT na cidade, Márcio Della Bella, garante que o partido ainda não definiu qual caminho seguir, mas adiantou que a legenda poderá lançar candidatura própria. De acordo com o petista, há dois nomes colocados como pré-candidatos: o do ex-deputado federal Jair Meneguelli e do ex-presidente da sigla Ricardo Rios. “Não decidimos ainda, mas seria bom ter candidato a prefeito para fazer um debate político e fortalecer o partido em São Caetano”, disse.

O líder do prefeito na Câmara, vereador Jorge Salgado (Pros), afirmou que o ex-prefeito pode até recorrer à Justiça para tentar ser candidato, mas a Câmara já fez o julgamento.

“Além de ter estourado os cofres com gastos elevados e deixar uma dívida de R$ 274 milhões, o que dificultou os dois primeiros anos de gestão de Paulo Pinheiro, o ex-prefeito afrontou a Constituição ao descontar o salários dos servidores e não repassar para a Previdência Social”, disse Salgado, ao se referir a um débito de R$ 33 milhões deixados pelo petebista.


Ausência

Salgado ainda criticou a ausência do vereador Beto Vidoski (PSDB) na votação das contas de Auricchio. “O Beto quer ser candidato a prefeito, mas com uma postura dessas fica difícil. A omissão não condiz com quem quer ser um gestor público e representante da cidade. Essa foi a sessão mais importante que tivemos na cidade, pois a Câmara nunca em sua história havia rejeitado as contas de um prefeito”, concluiu.

Beto Vidoski admitiu que é pré-candidato a prefeito no ano que vem e argumentou que se ausentou da sessão para encontrar, em Brasília, o senador Aécio Neves, presidente do PSDB nacional.

O parlamentar afirmou por meio de sua assessoria que sua presença não alteraria o placar. O tucano havia declarado que votaria contra as contas do ex-prefeito.


Postergando

Ainda nesta quarta, Auricchio conseguiu que a primeira liminar que havia pedido com objetivo de postergar a votação das contas fosse reestabelecida. O documento solicita que o TCE revise o julgamento que considerou o balanço de 2012 da Prefeitura irregular. No entanto, a sessão da Câmara que decidiu pela rejeição está mantida; ou seja, o ex-prefeito continua sem poder disputar as eleições.


Tags:
Paulo Pinheiro Auricchio eleições 2016 contas

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários