29/12/2016 17:05

Escritora andreense conquista 1º lugar de Prêmio Jabuti

Por: Redação (pauta@abcdmaior.com.br)

Judith Nogueira conquistou a categoria juvenil com o 'O Labatruz e outras desventuras'

Judith Nogueira, de Santo André, usa temas ditos pesados para conscientizar leitores. Foto: Divulgação
Judith Nogueira, de Santo André, usa temas ditos pesados para conscientizar leitores. Foto: Divulgação

O principal prêmio brasileiro de literatura contemplou uma escritora de Santo André, na categoria juvenil. Judith Nogueira conquistou o primeiro lugar do 58º Prêmio Jabuti com o livro O labatruz e Outras Desventuras.

Esse não é, definitivamente, uma história com final feliz. O livro de Judith contém uma trilogia de contos que falam de temas tão indigestos quanto frequentes na existência humana: solidão, frustração e morte. Os personagens são exaustivamente testados em seus específicos infortúnios. É neste exato ponto que as histórias tocam o real e provocam identificação, afinal, não é sempre que aparecem fadas com suas varinhas mágicas nas nossas histórias.

A princípio, a autora escreveu os contos para crianças e adolescentes, abordando questões importantes sobre a existência humana, mas geralmente evitadas em uma tentativa – “talvez equivocada por parte dos adultos” – de poupá-los de sofrimento. Judith Nogueira acredita que não oferecer ficção com esses temas aos indivíduos em formação, aparentemente contribuiria para que o confronto com situações reais se tornasse ainda mais difícil.

As obras de Judith Nogueira podem ser encontradas no site da editora Regência e também no site da editora Quatro Cantos. Foto: Divulgação
As obras de Judith Nogueira podem ser encontradas no site da editora Regência e também no site da editora Quatro Cantos. Foto: Divulgação

Em O labatruz, que é o primeiro conto e que tem características de fábula, o personagem central acaba sendo exposto à solidão por não encontrar outro de sua espécie. É imediata a identificação com os questionamentos da adolescência, como a aceitação em um grupo e as dificuldades do início da vida amorosa.

No segundo, O construtor de navios, o sentimento de frustração aparece no personagem que, a princípio, era bem-sucedido em todos os aspectos e possuía todos os bens materiais e afetivos de que necessitava. A última história, O homem que fazia luz, aborda poeticamente a finitude.

De acordo com Judith, ao construir contos delicados com tais temas, o objetivo é oferecer uma leitura prazerosa que acabe por alcançar também os adultos. O diferencial da obra e pegar as temáticas e trabalhá-las com suavidade. “As histórias apresentam personagens que passaram por dificuldades, mas conseguiram aprender alguma coisa e saem melhor após os conflitos”, explicou. “Trabalhando desta forma, o livro traz um efeito oposto às visões dos temas. Não fica aquela coisa que desanima. Porque o leitor fica com compaixão aos sentimentos dos personagens”, disse em entrevista ao ABCD MAIOR, a autora de O labatruz e Outras Desventuras, que também é cirurgiã do aparelho digestivo na Fundação ABC.


Serviço

As obras de Judith Nogueira podem ser adquiridas nos sites das editoras Regência e Quatro Cantos. Mais informações na página da escritora no Facebook.

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários