13/10/2007 00:00

Circo Moscou busca público diferenciado no ABCD

Por: Ana Haertel (ana@abcdmaior.com.br)

Grupo formado por famílias argentinas no século passado está em sua sexta geração


Hoje tem goiabada? Tem sim senhor! Hoje tem marmelada? Tem sim senhor! O Circo Moscou está São Bernardo e o que não faltam são razões para assistir o espetáculo.
Luiz Carlos Pimentel, gerente do circo há 25 anos, conta que o número de maior sucesso é o Globo da Morte. “É o único no mundo que tem oito motoqueiros se apresentando ao mesmo tempo”.

Mas o espetáculo vai muito além. Conta com o esperto chimpanzé Yuri, de 12 anos; a elefanta Bambi, de 40 anos; o malabarista Mário Ayres, que desde os 13 anos se apresenta no circo; Luiz Ayres, o homem pássaro; e Marcelo Palácios, domador de cavalos, entre outros artistas que fazem os espetáculos.

O Circo Moscou, um dos mais tradicionais do País, está em sua sexta geração. Dezesseis famílias argentinas decidiram formar o circo e em 1950 vieram para o Brasil. “Até hoje o circo é familiar. São mais de 100 colaboradores e 11 famílias envolvidas”, explicou o gerente.

Nas grandes cidades, muitas vezes, o circo não consegue mais atrair aquele público de antigamente. As crianças, fascinadas pela tecnologia, acabam substituindo o circo por video-games e computadores. Mesmo assim, Pimentel não acredita que o circo tenha perdido aquela magia de antigamente.

“Não acho que perdeu espectadores, o público apenas mudou. Hoje, nossa arte compete com a internet, shoppings e televisão, mas nós continuamos firmes e fortes porque temos qualidade. Nossas sessões são todas lotadas”, afirmou.

O incentivo também é fator relevante nos problemas enfrentados pelo circo, que, na maioria das vezes, arca com todos os custos, desde o aluguel do espaço, manutenção e divulgação, entre outras coisas que poderiam ser patrocinadas ou incentivadas pela iniciativa pública.

Respeitável público! Que tal trocar uma ida ao shopping para ir ao circo e ver espetáculos únicos? Dê você também um incentivo, leve seus filhos e apresente a eles essa arte que já encantou nossos pais e avós.

Horários - O Circo Moscou está na avenida Pereira Barreto, atrás do Shopping Metrópole e tem capacidade para 1.100 espectadores. De segunda a sexta-feira as sessões são às 20h30. Aos sábados e domingos são três sessões: 16h, 18h e 20h30. O circo fica na cidade até 15 de novembro. O valor do ingresso é R$ 15.

Motoqueiro "da morte" é do ABCD - Um dos sete motoqueiros do globo da morte que se apresentam no Circo de Moscou é o bernardense Gil Jedai, de 18 anos. Gil aprendeu a pilotar moto em uma redoma de ferro há quatro anos. “Minha família é do circo, meus cinco primos também se apresentam comigo, no Globo da Morte. Então meus pais não se importaram quando decidi começar. Até gostaram. Sempre fui apaixonado por motos”.

A rotina de treinos não é fácil. “Temos ensaios e treinamentos todos os dias, sem contar as apresentações de terça a domingo”. E o garoto afirma: “É perigoso, sim. A gente corre um certo risco porque são sete motos no número que apresentamos no Circo Moscou. Mas é muito bom! É a coisa mais importante da minha vida hoje”.

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários