17/06/2016 14:03

Escola estadual atrasa salário de faxineiras e alunos protestam

Por: Diego Brito (diego@abcdmaior.com.br)

Manifestação foi em São Bernardo; governo do Estado não fez repasse para empresa

Jovens criticaram o descaso do governo estadual para com a Educação. Foto: Rodrigo Pinto

Alunos do ensino médio e fundamental da E. E. João Batista Bernardes, no Bairro Alves Dias, em São Bernardo, paralisaram as aulas e realizaram um protesto em frente à escola na manhã desta sexta-feira (17/06). O ato é em solidariedade às funcionárias terceirizadas responsáveis pela limpeza da escola que estão com os salários atrasados há 10 dias.

A manifestação foi totalmente pacífica. Por volta das 7h os alunos se reuniram em frente à escola e paralisaram as aula como forma de protesto. A todo momento os jovens gritavam palavras de ordem, como 'queremos justiça' e 'as faxineiras merecem seus salários'.

“A situação da escola é crítica. Além de reivindicar o salário para o pessoal da limpeza, esse ato é por um ensino de maior qualidade”, explicou o aluno do 3º ano do ensino médio e representante do grêmio estudantil Felipe Gomes, 18 anos.

Como forma de reivindicar os salários, as faxineiras não estão mais limpando a escola. “Só voltaremos a limpar quando recebermos nossos salários. Não estamos trabalhando de graça. É todo mês a mesma coisa”, relatou uma das funcionárias, que pediu para não ser identificada.

A faxineira ainda relata que há pelo menos cinco meses o atraso está acontecendo. “O pior é que isso (atraso) não vem de hoje. Estou com medo de ficar sem o trabalho. Eu tenho minhas contas pra pagar, isso não é justo”, completou.

Os próprios alunos estão se solidarizando e ajudam na limpeza de algumas partes da escola. “Claro que nem todos os alunos limpam, mas estamos fazendo a nossa parte. A situação da escola é tão crítica que falta água no banheiro para lavar as mãos”, reclamou outra estudante e representante do grêmio Maria Eduarda, 16 anos.

Ao menos 10 veículos, entre carros, motos e base móvel da PM (Polícia Militar) acompanhavam a manifestação dos estudantes, que ocorreu sem incidentes.

Falta de repasse

Em nota, a empresa Top Service, responsável pelos funcionários da limpeza, explicou que o atraso nos pagamentos ocorrem por falta de repasse do governo do Estado. Na nota, ressaltam que nesse mês o dinheiro que pagou parte dos funcionários veio do caixa da empresa e não do repasse estadual.

Conforme a empresa, o restante dos pagamentos tentarão ser realizados ainda nesta sexta. O Governo do Estado garantiu que o pagamento será feito durante a próxima semana e ressaltou que toda empresa contratada precisa ter saúde financeira por três meses.


Leia também:

Estudantes ocupam escola em Mauá contra a Máfia da Merenda

Mesmo com ocupação em andamento, a E. E. Maria Helena Colônia tem aula normal nesta quinta-feira

Contra máfia da merenda, estudantes ocupam Assembleia

Alunos da rede secundarista cobram apuração sobre possíveis desvios de verba na educação

Câmara de Ribeirão Pires é ocupada por movimentos sociais e jovens

Manifestantes cobram implantação da CPI para investigar supostas irregularidades na Saúde

Tags:
protesto paralisação governo Alckmin governo do Estado atraso no pagamento salários movimento estudantil terceirização

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários