16/06/2016 17:06

Trum e o pássaro musical

Por: Penélope Martins (penelopemartins@uol.com.br)

Na coluna de hoje, Penélope apresenta Trum e brinca com letras e sons

como fazer um livro falar de música sem som nenhum saindo dele? como fazer um livro colorir a imaginação sonora sem cor nenhuma pintando suas páginas? isso é muito difícil e eu não sei como fazer… mas trum sabe, e faz colorir e compor páGINas sOnoRAs junto com o pássaro musical.

“um dia, trum saiu da água. atravessou a praia e escalou o morro. e, lá de cima, pôs-se a escutar.

ouviu o que acontecia pelas plantações…”

escrevo em letras minúsculas como um barulhinho constante, miúdo. NÃO VOU CANTAR ALTO, mas você pode me ouvir. foi trum quem me deu a ideia de misturar as letras numa cantiga visuAL sonORA.

diga ‘xisssss’ e eu também imagino seu retrato nas páginas desse livro.

trum é uma criança que escuta a praia, o vento, os pingos da chuva, os rumores do mato e o canto dos passarinhos. o passarinho empresta um som que é canto; trum canta o canto do passarinho.

é verdade que quando a gente pensa sempre vem um barulhinho. até o silêncio tem um som que nos acolhe.

trum preenCHE o espaço com SONS colecionados e gaLOPA, coCHIcha, gIra e dá RISADA, ‘rá-rá-rá-rá-ra’.

tudo isso é muito barulhento. mas tudo isso pode ser melodioso, harmonioso, como é a música do pássaro que canta e ensina a cantar ‘psiiiiiiuuuu’.

uma descoberta encantadora, TRUM E O PÁSSARO MUSICAL, é um livro que nos convida a observar atentamento os sons ao nosso redor, brincando com eles e compreendendo sua plasticidade enquanto movimento e imagem.

o livro tem uma capa amarela que aquece um título colorido, depois, mergulha em páginas brancas que silenciam o ambiente. trum convida a compor e cria espaço para que isso aconteça.

a autora, Elzbieta, trabalha com a concepção musical de Sharon Canach, e aproveita o conceito do objeto livro para possibilitar ao leitor uma experiência sonora a partir do silêncio, quebrado com o simples manusear de páginas. as cores ‘faltantes’ nas páginas, também convidam sem oferecer resistência ao imaginário do leitor.

um livro para brincar, balbuCIAR, pintar, desenhar, EXPlorar, compOR e fazer CANÇÃO.

(em tempo, no Brasil, a editora é a Cereja, de São Paulo.)


Penélope Martins é escritora e narradora de histórias, blogueira do Toda hora tem história, fã número 1 de Caetano Veloso e doida por sorvete!


Tags:
literatura literatura infantil

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários