20/04/2017 08:50

Getúlio Vargas tentou acabar com a cultura indígena

Ditador tirou o Marechal Rondon à frente do Serviço de Proteção ao Índio

Por: Gonzaga do Monte (lugonzaga.monte@gmail.com)

ÍNDIOS

Escolas ensinavam os códigos dos brancos. Olha só a roupa!
Escolas ensinavam os códigos dos brancos. Olha só a roupa!

Assim que assumiu o poder, em 1930, Getúlio Vargas tirou o Marechal Rondon à frente do Serviço de Proteção ao Índio e reorientou as ações do órgão para tentar incorporar o indígena à sociedade brasileira. A nova política indigenista foi pensada para “dar trabalho” ao índio, nesse caso transformá-lo num trabalhador agrícola, que cultivasse, além da terra, os valores de integração nacional como o hino, a bandeira, a língua nacional e as datas cívicas. Escolas passaram a funcionar nos postos indígenas para enquadrar o índio na nova ordem. Se esse processo de integração desse certo, seria o fim da cultura indígena! Foi talvez por isso que o Brasil demorou a aderir ao Instituto Indigenista Interamericano, que havia sido criado durante o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, realizado em abril de 1930 no México, quando o dia 19 passou a ser o Dia do Índio. O Brasil aderiu somente em 1934, depois de pressões internas, mas foi de mentirinha, pois o projeto de Getúlio para as nações indígenas batia de frente com os objetivos do Instituto Indigenista, criado para zelar pelos direitos dos índios e preservar as tradições, os costumes e as línguas indígenas.

Saiba mais em: periodicos.ufpa.br/index.php/revistamargens/article/download/2778/2909 e em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882000000100002

Galdino ganhou monumento no local do crime
Galdino ganhou monumento no local do crime

Assim, não!

No dia 20 de abril de 1997, quatro jovens de famílias ricas de Brasília colocaram fogo no índio Galdino, que dormia numa parada de ônibus da cidade. Galdino morreu dias depois com 95% do corpo queimado.

Assim, sim!

No dia 19 de abril de 1985, cerca de oitenta índios armados de bordunas invadiram a sede da Funai, em Brasília, e conseguiram impedir a posse de Airton Carneiro de Almeida na presidência da entidade. Eles alegaram que não haviam sido consultados.

8BATALHAS

Depois de duas derrotas, holandeses deixaram o Brasil
Depois de duas derrotas, holandeses deixaram o Brasil

Guerra de guerrilha contra os holandeses

Dois fatos inéditos aconteceram na Batalha de Guararapes, ocorrida em abril de 1648 nas proximidades do Recife, para a expulsão dos holandeses do país. Foi nela em que, pela primeira vez, combateram lado a lado os índios, os negros e os portugueses e filhos nascidos no Brasil, o que teria dado forma ao sentido de nacionalidade. E eles inovaram para poder vencer um exército bem maior numericamente e bem mais equipado, atraindo os holandeses para um terreno formado por mangues e estradas estreitas, que dificultavam o uso da artilharia pesada. E foi no corpo a corpo, num terreno cheio de lama, que homens com armas, foices, paus e flechas impuseram uma dura derrota aos soldados com grandes lanças, mosquetes e canhões. Pela primeira vez foi usada uma tática de guerrilha em batalha em solo brasileiro. Teve ainda uma segunda batalha, nas mesmas condições e no mesmo lugar, e nas duas os holandeses perderam mais de dois mil soldados.

Saiba mais: em https://maniadehistoria.wordpress.com/batalha-dos-guararapes/

QUESTÃO AGRÁRIA

 Massacre teve repercussão internacional
Massacre teve repercussão internacional

Polícia faz serviço de pistoleiros e assassina 19 sem-terra

Cerca de 300 policiais militares armados com escopetas, metralhadoras, fuzis e revólveres atacaram uma marcha de 1.500 trabalhadores sem terra em rodovia do Pará e deixaram saldo de 19 mortos e mais de 50 feridos. Dez deles foram assassinados com tiros à queima-roupa. Outros tiveram membros mutilados e crânios esmagados. Os sem-terra marchavam até Belém, ainda 600 quilômetros distantes, para cobrar do governador Almir Gabriel (PSDB) a desapropriação da Fazenda Macaxeira, na cidade de Curionópolis.

A matança aconteceu em abril de 1996 durante o primeiro mandato de FHC. Ela teve enorme repercussão internacional e ficou conhecida como o Massacre de Eldorado dos Carajás. O gerente da Fazenda Macaxeira denunciou que fazendeiros da região haviam ordenado e financiado o massacre, mas eles nem foram citados no processo. Os condenados foram apenas o coronel e o major que comandavam a ação. Veja o que fala o jornalista Eric Nepomuceno, que escreveu o livro O Massacre: Eldorado do Carajás, uma história de impunidade. “Ninguém deveria sequer se atrever a usar palavras como ‘confronto’, ‘incidente’ ou ‘choque’ para descrever o que aconteceu na Curva do S. Aquilo foi uma carnificina brutal, um massacre que permanece impune”. Saiba mais em:

http://www.revistaforum.com.br/2012/02/08/eldorado-dos-carajas-uma-historia-de-impunidade-2/

TRABALHISMO

Mais greves aconteceram com a criação de uma entidade nacional de trabalhadores
Mais greves aconteceram com a criação de uma entidade nacional de trabalhadores

COB, a primeira central sindical do país

A Confederação Operária Brasileira (COB) foi criada no dia 20 de abril de 1906 durante o 1º Congresso Nacional dos Trabalhadores, que reuniu quarenta e três delegados representando vinte e oito federações e sociedades operárias de todo o Brasil. O encontro criou o jornal da entidade, A Voz do Trabalhador, e definiu como principais bandeiras de luta a jornada de trabalho de oito horas diárias e a criação do seguro contra acidentes, entre outras reivindicações. O congresso aconteceu no Centro Galego, na Rua Constituição 30-30, no Rio.

Primweira greve depois do golpe militar foi votoriosa
Primweira greve depois do golpe militar foi votoriosa

Trabalhadores mineiros resistem ao arrocho da ditadura No dia 16 de abril de 1968 começou greve na Companhia Belgo-Mineira, em Contagem (MG), e o movimento por aumento salarial envolveu 20 mil metalúrgicos das principais empresas. A polícia ocupou a cidade e o no final dessa que foi a primeira grande greve depois do golpe militar de 1964 os trabalhadores tiveram reajuste de 10%.

ABRIL NO BRASIL

População foi às ruas exigindo liberdade aos contrários à ditadura
População foi às ruas exigindo liberdade aos contrários à ditadura

Anistia aos presos políticos

Depois de campanha que tomou conta do País, o ditador Getúlio Vargas assinou anistia no dia 18 de abril de 1945, que permitiu a libertação dos últimos 600 presos políticos presos pelo Estado Novo, entre eles o senador Luís Carlos Prestes e os deputados federais Carlos Marighella e Gregório Bezerra, todos comunistas, detidos há mais de oito anos. Também foram libertados os integralistas.

((foto liberdade-arraes, com esta legenda: Depois de solto, Arraes pediu asilo na Argélia))

Arraes ganha liberdade

No dia 21 de abril de 1965 o governador do Pernambuco, Miguel Arraes, foi solto pelos militares depois de quase um ano preso. Ele seguiu para o exílio, onde organizou redes de apoio político e financeiro às comunidades de exilados e às organizações brasileiras. Também denunciou as torturas e assassinatos cometidos pela ditadura. Voltou ao país com a anistia, em 1979.

Despedida mobilizou milhões de brasileiros
Despedida mobilizou milhões de brasileiros

Morte de Tancredo foi frustração nacional

No dia 21 de abril de 1985 morreu Tancredo Neves, depois de trinta e oito dias hospitalizado e depois de ter passado por sete cirurgias. Ele se internou na véspera de sua posse como presidente do Brasil. Tancredo havia sido escolhido pelo colégio eleitoral como o primeiro civil para substituir os presidentes militares. Com sua morte, quem assumiu foi o vice, José Sarney, que meses antes havia deixado o PDS, o partido que apoiava a ditadura.

ABRIL NO MUNDO

Mercenários são presos pela população
Mercenários são presos pela população

Fracassa invasão norte-americana a Cuba

No dia 17 de abril de 1961 cerca de 1.200 mercenários norte-americanos, treinados pela CIA, desembarcaram na baía dos Porcos, em Cuba, para tentar derrubar o governo de Fidel Castro. Em janeiro de 1959, os revolucionários cubanos haviam colocado fim à ditadura apoiada pelos Estados Unidos, promovendo mudanças no país como a nacionalização das empresas. Cerca de 20 mil cubanos cercaram os invasores, 100 deles morreram e os outros 1.100 foram capturados.

Exército russo ocupou uma cidade arrasada pelas bombas)
Exército russo ocupou uma cidade arrasada pelas bombas)

Soviéticos fecham cerco sobre Berlim

No dia 25 de abril de 1945, o exército russo cercou a capital alemã para derrotar Hitler e colocar fim ao nazismo e à Segunda Guerra. O Exército Vermelho tinha 2,5 milhões de soldados, 41 mil canhões, 6.300 tanques e 7.500 aviões para enfrentar menos de 100 mil soldados nazistas. Hitler se suicidou no dia 30 de abril e a rendição da Alemanha aconteceu dois dias depois.

Compartilhe essa matéria

Deixe seu comentário

Para participar efetue o login, ou cadastre-se
Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

{{comments.length||0}} comentários